NOSSO PATRONO

Caetano Maria Felicíssimo Nacarato, nasceu na Itália em 04 de dezembro de 1851, filho de Antonio Nacarato e Dona Francisca Posteraro, casou-se com Dona Joanna Palmieri Nacarato.

Aos 36 anos de idade, negociante, morador no Lago do Rosário nº 75 neste Vale, teve sua Proposta de Filiação apreciada na Loja América em sessão de 13/05/1886, onde foi aprovado limpo e puro, na sessão de 20/05/1886, prestando seu juramento em 28/05/1886.

Em muito pouco tempo, dado sua têmpera de aglutinador, assumiu a Segunda Vigilância para a qual foi eleito já em novembro de 1886, com 14 votos em 15.

Reeleito em agosto de 1887, sempre lutou pela união e harmonia entre os Irmãos.

No mês de setembro de 1888 recebeu o Grau 17, dezembro de 1888 o grau 18 e em novembro de 1889 o grau 33.

Da vigésima terceira, até a trigésima quarta gestão, ou melhor, de 1890 até 1910, durante vinte anos seguidos, Caetano Nacarato foi Venerável da Loja América, a quem esta Oficina deve serviços relevantes, e é por isso que seu nome honrado, ainda hoje, o tempo não conseguiu apagar.

Falecido aos vinte e sete dias do mês de Outubro de hum mil novecentos e dezoito (27/10/1918), vítima de um coma diabético, na Rua Ipiranga, 155 neste Vale, com 69 anos, nosso Irmão deixou viúva Dona Joanna Palmieri Nacarato em companhia de seus filhos: Francisca, Pedro, Antonio, Achiles, Paulina, Maximina, Paulo, Augusta, João Olympio e Caetano Nacarato Felicíssimo Nacarato Filho, dos quais Pedro, Antonio e Achiles foram batizados na Loja América, com a idade de onde, nove e sete anos respectivamente – em companhia dos filhos do nosso inesquecível Irmão Américo de Campos – em sessão de 08/03/1890.

Nosso Irmão foi sepultado no Cemitério da Consolação, Rua 31, terreno 1 e 2 lado direito, conforme registro às folhas 83-V do livro 24 de inumação.

Somente depoimentos de Irmãos seus contemporâneos, podem realmente qualificar, em toda sua grandeza, a estrutura deste nosso Irmão Caetano Nacarato.

Depoimento do nosso Irmão Orador João Gallo 33 : “uma luz como um farol, que com seus raios projetava por todo o Estado de São Paulo e por todo o Brasil o seu conhecimento e devotamento pela Maçonaria” Sessão de 22/11/1918”.

Na mesma sessão o Irmão Secretário Manoel Pacheco de Mendonça Júnior 18: “convido os Irmãos de boa vontade nos esforçarmos no trabalho da nossa Benemérita Oficina América, certos de que o do nosso poderoso Irmão Nacarato se achará sempre do nosso lado nos guiando no cumprimento do nosso dever”.

“Da sua figura de maçom verdadeiro, dentro da maior modéstia e perfeita simplicidade”, disse Amadeu Amaral, em seu discurso proferido no dia do quinquagésimo terceiro aniversário desta casa em 09/11/1921: “Refiro-me a esse homem tão simples, tão honrado, tão sincero e tão bom que se chamou Caetano Nacarato, coluna de bronze desta casa, amigo e Irmão, que parecia mais um pai e um apóstolo e que, depois de ter convivido conosco dezenas de anos, quase dia-a-dia, deixou para surpresa e para saudade dos que ficaram a impressão de uma separação antecipada”.

Dublando ainda Amadeu Amaral: “Duplamente Venerável, Venerável pela graduação maçônica e pela rara aliança de talento, de saber e de integridade, de brilho e têmpera”.